O que você precisa saber sobre linfoma

O linfoma é um câncer do sistema linfático. Ele afeta um tipo de glóbulos brancos conhecidos como linfócitos. Estes são responsáveis por combater uma série de doenças no organismo. Eles desempenham um papel importante no sistema imunológico.

Este tipo de câncer começa nas células brancas do sangue, ou nos linfócitos. Como está presente na corrente sanguínea, pode se espalhar facilmente, ou causar metástase, em diferentes partes do corpo.

O linfoma pode ocorrer em qualquer idade da vida, mas é uma das causas mais comuns de câncer em crianças e adultos jovens de 15 a 24 anos de idade. Muitas vezes, é tratável.

Nos Estados Unidos, o risco ao longo da vida de desenvolver linfoma não-Hodgkin é de 2,1 por cento . O risco de desenvolver linfoma de Hodgkin é de cerca de 0,2 por cento .

Linfoma e Sistema Linfático - Tratamentos, causas e sintomas

Fatos rápidos no linfoma – Aqui estão alguns pontos-chave importantes sobre o linfoma. Mais detalhes estão no corpo deste artigo.

  • O linfoma é um câncer dos gânglios linfáticos e do sistema linfático.
  • Os dois principais tipos são Hodgkin e o não-Hodgkin. O não-Hodgkin é considerado o mais comum.
  • O principal sintoma é, quase sempre, uma ampliação dos gânglios linfáticos que não desaparece, como normalmente faria após a infecção.
  • Não há como evitar e prevenir o linfoma, mas as taxas de sobrevivência após o tratamento são boas.

Tratamento

O tratamento depende do tipo de linfoma e do estágio que ele chegou.

O linfoma indolente ou de crescimento lento pode necessitar apenas de uma espera vigiada, sem tratamento.

Se o tratamento for necessário, pode envolver envolver várias frente de ataque:

  • Terapia biológica : trata-se de um tratamento a base de remédios, que estimula o sistema imunológico a enfrentar as células cancerígenas inserindo microorganismos vivos no corpo.
  • Terapia de anticorpos : anticorpos sintéticos são colocados na corrente sanguínea para eliminar os antígenos do câncer.
  • Quimioterapia : tratamento de drogas considerado agressivo, que também é usado para mata células cancerosas.
  • Radioimunoterapia : oferece doses radioativas de alta potência diretamente nas células B cancerígenas e células T para eliminá-las.
  • Radioterapia : é usada para se concentrar em pequenas áreas de câncer.
  • Transplante de células-tronco : esse transplante pode restaurar a medula óssea danificada após quimioterapia ou terapia de radiação de alta dose .
  • Esteróides : estes podem ser injetados diretamente para tratar o linfoma.
  • Cirurgia : esse método pode ser usado para remover o baço ou outros órgãos depois que o linfoma se espalhou.

A cirurgia é usada com mais frequência para conseguir uma biópsia.

Sintomas

Os sinais e sintomas do linfoma são parecidos aos de doenças como doenças virais e mesmo um resfriado comum, mas continuam por mais tempo do que seria normalmente esperado.

Algumas pessoas não terão os mesmos sintomas, mas alguns podem notar um inchaço nos seus gânglios linfáticos. Estes estão localizados ao redor do corpo, muitas vezes no pescoço, na virilha, no abdômen ou mesmo nas axilas.

Os inchaços são normalmente indolor, mas podem ocorrer dor se as glândulas aumentadas pressionarem órgãos, ossos e outras estruturas de dentro do corpo. Isso pode ser confundido com a dor nas costas .

Os linfonodos podem inchar durante infecções mais comuns, como um resfriado, mas no linfoma o inchaço não some. A dor também é mais provável de acompanhar o inchaço se for devido a uma infecção adjacente.

A sobreposição de sintomas pode levar a um erro de diagnóstico, por parte dos médicos.

Qualquer pessoa que tenha sofrido inchaço das glândulas deve ver o médico imediatamente.

Outros sintomas de ambos os tipos de linfoma podem incluir também:

  • febre contínua sem infecção
  • suores noturnos e calafrios
  • perda de peso e perda de apetite
  • prurido incomum
  • fadiga persistente, cansaço incomum ou falta de energia
  • dor nos gânglios após beber mesmo uma pequena quantidade álcool

Sintomas adicionais que podem indicar linfoma não-Hodgkin incluem ainda:

  • tosse persistente
  • falta de ar
  • dor ou inchaço do abdômen

A dor, a fraqueza, a paralisia ou a sensação de lerteza podem ocorrer se um nódulo linfático aumentado pressionar contra os nervos espinhais ou contra a medula espinhal.

O linfoma pode se espalhar de forma mais rápida dos gânglios linfáticos para outras partes do corpo através do sistema linfático. À medida que os linfócitos cancerosos se espalham por outros tecidos, a capacidade do corpo de combater a infecção diminui.

Causas

O câncer ocorre quando há crescimento descontrolado de células anormais que prosperam e se espalham em vez de morrer, como ocorreria no ciclo de vida de uma célula normal.

O tecido linfático está sempre ligado a todo o corpo. Se as células cancerosas se desenvolvem no sistema linfático, elas podem se espalhar facilmente do local original para outros tecidos e órgãos, incluindo aqueles que estão fora do sistema diretamente.

O linfoma geralmente se espalha para o fígado, medula óssea ou mesmo para o pulmão.

No linfoma de Hodgkin , o câncer geralmente afeta um linfonodo após o outro em ordem.

No linfoma não-Hodgkin , os tumores podem surgir em diferentes linfonodos, ignorando alguns pontos.

Exatamente o que causa linfoma não está ainda totalmente claro, mas existem alguns fatores de risco.

Fatores de risco

Os dois tipos diferentes de linfoma têm diferentes fatores de risco.

Linfoma não-Hodgkin

Os fatores de risco para o linfoma não-Hodgkin incluem :

  • Idade : a maioria dos linfomas ocorre em pessoas com 60 anos ou mais, mas alguns tipos são mais propensos a atingir crianças e adultos jovens.
  • Sexo : alguns tipos são mais prováveis de ocorrerem ​​em mulheres, outros são mais prováveis ​​em homens.
  • Etnicidade e localização : os afro-brasileiros e os asiáticos-brasileiros estão em menor risco de linfoma não-Hodgkin do que os brancos, e é mais comum nos países desenvolvidos.
  • Produtos químicos e radiações : a radiação nuclear e alguns produtos químicos usados na agricultura têm sido associados ao linfoma não-Hodgkin.
  • Imunodeficiência : uma pessoa com um sistema imune enfraquecido está mais em risco. Isso pode ser devido, por exemplo, ao vírus da AIDS , ou mesmo medicamentos após um transplante de órgãos.
  • Doença auto-imune : é quando o sistema imunológico enfrenta as próprias células do corpo. Exemplos incluem artrite reumatóide e também doença celíaca .
  • Infecção : certas infecções virais e bacterianas que atingem os linfócitos aumentam o risco, como o vírus Epstein-Barr (EBV), que causa a febre glandular .
  • Implantes mamários : podem causar linfoma anaplásico de células grandes no tecido mamário.
  • Peso corporal e dieta : a obesidade tem sido correlacionada no desenvolvimento do linfoma, embora seja necessário pesquisar mais para confirmar o elo de ligação.

linfoma de Hodgkin

Os fatores de risco para o linfoma de Hodgkin incluem :

  • Mononucleose infecciosa : a infecção com EBV pode levar amononucleose, o que aumenta o risco de linfoma.
  • Idade : Pessoas com idade entre 20 e 30 anos e pessoas com mais de 55 anos têm maior risco dessa doença.
  • Sexo : é um pouco mais comum nos homens, não se sabe ainda o motivo.
  • Localização : o linfoma de Hodgkin é mais comum no Brasil, EUA, no Canadá e no norte da Europa. É menos comum na Ásia.
  • Família : se um irmão tiver a condição, o risco é um pouco maior, e muito alto se o irmão for um gêmeo idêntico.
  • Afluência : as pessoas com status socioeconômico mais elevado correm maior risco, não se sabe o motivo.
  • Infecção por HIV : isso pode prejudicar o sistema imunológico e aumentar o risco de linfoma.

Diagnóstico

Não há exames de rotina para linfoma. Se uma pessoa tem sintomas virais persistentes, eles devem consultar um médico, imediatamente.

O médico perguntará sobre o histórico médico pessoal e familiar do paciente e tentará descartar outras condições parecidas.

Eles também realizarão um exame físico, incluindo uma inspeção do abdômen e no queixo, pescoço, virilha e axilas, onde podem ocorrer inchaços. O médico procurará sinais de infecção perto dos gânglios linfáticos, pois isso pode explicar a maioria dos casos de inchaço.

Testes de linfoma

Os testes confirmarão se o linfoma está presente no paciente ou não.

Testes de sangue e biópsias podem confirmar a presença de linfoma e distinguir entre eles.

Uma biópsia envolve a retirada de uma amostra de tecido linfático para exame em laboratório. O cirurgião pode remover uma linfa inteira ou apenas uma parte de uma. Em alguns casos, uma agulha pode ser usada para retirar uma amostra de tecido. Uma biópsia da medula óssea pode ser necessária. Isso pode precisar de um anestésico local, um sedativo ou mesmo um anestésico geral.

Biópsias e outros testes podem confirmar a fase do câncer, e também analisar se ele se espalhou para outras partes do corpo.

Testes de imagem , como uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética, imagens de raios-X do tórax, abdômen e pelve, ultra-sonografia ou exame de PET .

Uma analise espinhal , onde uma agulha longa e fina é usada sob anestesia local para remover e testar o líquido espinhal.

A classificação do câncer depende do tipo, taxa de crescimento e características celulares. No estágio 0 ou I, o câncer é confinado a uma pequena área. No estágio 4, espalhou-se para órgãos mais distantes, o que é muito preocupante.

Linfoma e Sistema Linfático - Tratamentos, causas e sintomas

O linfoma também pode ser descrito como indolente, limitado a um lugar, ou agressivo, espalhando-se para outras partes do corpo.

Tipos

Os cânceres linfáticos são classificados pelo tipo de células imunes afetadas. Os dois principais tipos são Hodgkin e não-Hodgkin. Dentro destes, existem muitos subtipos.

Não-Hodgkin, o tipo mais comum, afeta células B e T. Isso representa 90 por cento dos casos de linfoma e cerca de 4 por cento de todos os cânceres nosmundo.

O linfoma de Hodgkin clássico é marcado pela presença de células conhecidas como células de Reed-Sternberg. Outros subtipos prejudicam diferentes tipos de células.

Prognóstico

Com tratamento, mais de 2 em 3 pessoas diagnosticadas com linfoma não-Hodgkin do estágio I sobreviverão durante pelo menos 5 anos mais tardes.

Com o estágio I, o linfoma de Hodgkin, pouco mais de 85% das pessoas que receberam tratamento sobreviverão durante pelo menos 5 anos.

É importante procurar atendimento médico para sinais e sintomas incomuns, pois estes podem levar a um diagnóstico precoce e a uma boa chance de tratamento para a eliminação da doença.

 

Sistema linfático: fatos, funções e doenças

A maioria das pessoas sabe que seus gânglios linfáticos podem ficar inchados quando estão com uma infecção na garganta, mas por que isso acontece e o que mais há para saber sobre o sistema linfático do corpo?

O sistema linfático, é parecido de muitas maneiras ao sistema circulatório do sangue, na medida em que envolve uma extensa rede de vasos que passam por quase todos os nossos tecidos, para permitir o movimento de um fluido chamado linfa. Este fluido drena através desses vasos linfáticos de uma maneira parecida ao retorno do sangue ao longo das veias de volta ao coração.

Use esta página para descobrir mais sobre esta parte essencial do nosso sistema imunológico e as demais funções do sistema linfático.

  • O sistema linfático tem três papéis principais: faz parte do nosso sistema imunológico, mantém o equilíbrio de fluidos e é essencial para a absorção de gorduras e nutrientes solúveis em gordura.
  • Os vasos linfáticos drenam o fluido de praticamente todos os nossos tecidos para controlar o equilíbrio dos fluidos e para entregar material estranho aos gânglios linfáticos para avaliação por células do sistema imunológico.
  • Os gânglios linfáticos incham em resposta à infecção – as chamadas glândulas inchadas – devido a uma acumulação de líquido linfático, bactérias ou outros organismos e células do sistema imunológico.
  • Os linfonodos também podem ficar inchados devido a infecção direta e, raramente, câncer ou outras doenças ou condições.
  • Os linfonodos são responsáveis ​​por filtrar a linfa e fornecer parte da resposta imune adaptativa a novos patógenos – a parte da nossa imunidade que possui uma “memória” longa.
  • Distúrbios do linfatismo incluem linfedema, ocorrendo uma forma de inchaço quando a linfa não conseguiu drenar através dos vasos linfáticos.
  • Os gânglios linfáticos inchados podem indicar uma resposta a material estranho, como por exemplo, de uma infecção próxima – esse processo é conhecido como linfadenopatia reativa.
  • Os linfonodos também podem se infectar, uma condição conhecida como linfadenite.
  • Se os gânglios linfáticos inchados não retornarem ao seu tamanho normal, são difíceis de manusear, são difíceis de mover, são acompanhados por febre , perda de peso inexplicada ou dificuldade em respirar ou engolir, é necessário um check-up de um médico.

 

O que é o sistema linfático?

 

O sistema linfático tem três funções principais: 1,2

  • Manter o equilíbrio do fluido no sangue versus os tecidos (homeostase do fluido)
  • Formar parte do sistema imunológico do corpo e ajudar a se defender contra corpos estranhos, como bactérias
  • Facilitando a absorção de gorduras e nutrientes solúveis em gordura no sistema digestivo.

Com relação à absorção do intestino, o sistema linfático possui pequenos vasos especiais chamados de lactato que são responsáveis ​​por absorver gorduras e nutrientes solúveis em gordura.

Estes funcionam ao lado de vasos capilares sanguíneos na membrana de superfície dobrada do intestino delgado (os capilares de sangue absorvem os outros nutrientes diretamente na corrente sanguínea).

 

 

Órgãos do sistema linfático e anatomia

O sistema linfático compreende vasos linfáticos, dutos e nós, bem como outros tecidos como descrito abaixo. O sistema linfático funciona de forma semelhante ao sistema circulatório do sangue, e em paralelo próximo ao retorno do sangue ao coração e drenagens linfáticas para o coração.

Os vasos linfáticos formam uma rede de ramos que infiltram quase todos os tecidos do corpo. Esses vasos são um acessório para as veias para retornar o fluido dos tecidos. 2-6

Sua semelhança com o sistema de circulação sanguínea relaciona-se especificamente com o retorno venoso do sangue ao coração. Não há “bombeamento” ativo de linfa – um fluido claro derivado do plasma sanguíneo -, mas a linfa é empurrada para trás das periferias para o centro de forma semelhante à forma como o sangue é retornado ao coração.

Linfoma e Sistema Linfático - Tratamentos, causas e sintomas

O fluido linfático se move através dos vasos sendo espremido quando usamos conscientemente nossos músculos esqueléticos e pelo movimento dos músculos lisos quando respiramos ou realizamos outras ações involuntárias. As propriedades das paredes dos vasos linfáticos e as válvulas ajudam a controlar o movimento da linfa.

Como as veias, os vasos linfáticos têm válvulas regulares dentro delas para parar a refluxo do fluido . A linfa é drenada progressivamente para os vasos maiores e maiores até atingir os dois canais principais, os dutos linfáticos no nosso tronco, onde os fluidos linfáticos filtrados podem ser devolvidos ao sangue venoso.

Os vasos do sistema linfático se ramificam através de uniões chamadas linfonodos.Estes nós são muitas vezes referidos como glândulas, mas não são glândulas verdadeiras, pois não fazem parte do sistema endócrino.

Os linfonodos não são os únicos tecidos linfáticos no corpo – as amígdalas, o baço e a glândula timo também são tecidos linfáticos.

Os amígdalas estão localizados na parte de trás da boca e são responsáveis ​​pela produção de linfócitos (um tipo de glóbulo branco) e anticorpos. Sua posição – pendurada em um anel que forma a junção entre a boca e a faringe – é estratégica para proteção contra corpos estranhos inalados e engolidos. As amígdalas são os tecidos afetados pela amigdalite , condição inflamatória comum em crianças.

O baço não filtra a linfa – não está conectado ao sistema linfático do mesmo modo que os gânglios linfáticos. É um tecido linfóide, no entanto, com um papel na produção de glóbulos brancos que fazem parte do sistema imunológico. O outro papel importante do baço é filtrar o sangue para remover micróbios e células vermelhas e plaquetas velhas e danificadas.

A glândula timo é um órgão linfático e uma glândula endócrina. Isso significa que secreta hormônios, além de ser crucial na produção e maturação de células imunes. A glândula timo é ativa no desenvolvimento do sistema imunológico antes do nascimento e pela infância.

A medula óssea não é tecido linfático no mesmo sentido que os tecidos acima, mas pode ser considerada parte do sistema linfático porque é responsável pela maturação dos linfócitos B do sistema imunológico. Para a completude, deve-se notar que o fígado do feto é considerado parte do sistema linfático devido ao seu envolvimento no desenvolvimento de linfócitos.

 

Função do sistema linfático: homeostase líquida

Um dos principais papéis dos vasos linfáticos é manter o equilíbrio fluido, devolver o excesso de fluido e proteínas dos tecidos que não podem ser retornados através de vênulas e veias.

O fluido é encontrado em espaços e cavidades de tecido, nos espaços minúsculos que circundam as células (os espaços intersticiais) alcançados pelo menor sangue e capilares linfáticos.

Cerca de 90% do plasma que chega aos tecidos dos capilares do sangue arterial é retornado pelos capilares venosos e de volta ao longo das veias; os 10% restantes são drenados de volta pelos linfaços. 10

A quantidade de linfa retornada a cada dia equivale a um total de cerca de 2-3 litros, e esse fluido inclui proteínas que são muito grandes para serem transportadas através dos vasos sanguíneos.

Embora não seja tão imediatamente fatal como o fracasso da circulação sanguínea, a perda do sistema linfático levaria à morte dentro de um dia. Sem o sistema linfático e drenando o excesso de fluido, nossos tecidos incham muito, causando perda de volume e pressão no sangue.

 

Função do sistema linfático: absorção

 

Quase todas as gorduras absorvidas pelo trato gastrointestinal são absorvidas em uma parte da membrana intestinal no intestino delgado, especialmente adaptada pelo sistema linfático.

O sistema linfático tem pequenos lacteos nesta parte do intestino que fazem parte das estruturas salientes (as vilosidades semelhantes a um dedo) produzidas pelas pequenas dobras na superfície absorvente do intestino.

Os Lacteals absorvem gorduras e vitaminas lipossolúveis para formar um fluido branco leitoso chamado chyle. Este fluido, que contém linfa e gorduras emulsionadas, ou ácidos graxos livres, fornece nutrientes indiretamente quando atinge a circulação sanguínea venosa. Os capilares de sangue absorvem outros nutrientes diretamente.

 

Função do sistema linfático: o sistema imunológico

O sistema linfático constitui uma parte importante da nossa resposta imune à exposição contínua a microorganismos. Alguns desses organismos são potencialmente prejudiciais e até fatais, pois existem algumas infecções que o nosso sistema imunológico não está preparado para lidar. 

O sistema linfático não é a primeira linha de defesa contra agentes infecciosos, como bactérias e vírus, no entanto, esses organismos são os primeiros a lida com com:

  • Barreiras físicas dentro da pele
  • Barreiras tóxicas, como o conteúdo ácido do estômago
  • Competição representada pelos chamados organismos amigáveis ​​no corpo que normalmente não são nocivos e muitas vezes são benéficos.

Apesar da eficácia dessas barreiras, inúmeros agentes patogênicos invadem com sucesso o corpo, após o que podem causar infecção se não forem prontamente tratados pelo sistema imunológico. Uma série de diferentes células imunes e moléculas especiais trabalham juntas para combater esses agentes patogênicos, com cascatas complexas de atividade imune projetadas para reconhecer e destruir o material estranho.

O sistema linfático desempenha um papel fundamental nesta atividade, pois o fluido linfático que contém organismos estranhos é drenado dos tecidos e é apresentado às células do sistema imune. Essas células podem então formar anticorpos contra agentes patogênicos ou produzir anticorpos da memória se eles já encontraram o patógeno específico.

Linfoma e Sistema Linfático - Tratamentos, causas e sintomas

Uma injeção radioativa que encontra o caminho para os gânglios linfáticos, facilitando a identificação dos indivíduos que podem estar drenando certos tumores cancerosos.

As células cancerosas se disfarçam como células imunes “para se espalhar através do sistema linfático, estudo descobre

Notícias em maio de 2015 sobre pistas sobre metástases de células cancerígenas.

As células assassinas naturais melhoradas pelo laboratório eliminam o câncer nos gânglios linfáticos

A pesquisa publicada na revista Biomaterials em novembro de 2015 encontrou uma forma de nanopartícula para aproveitar as células imunes contra células cancerosas nos gânglios linfáticos.

Coleções de gânglios linfáticos estão concentrados no pescoço, axilas e virilha. A presença de linfonodos torna-se óbvia em um ou em ambos os lados do pescoço quando temos as chamadas glândulas inchadas .

A linfa é filtrada pelos gânglios linfáticos e outros órgãos linfóides. Os gânglios linfáticos fornecem um ambiente para células imunológicas conhecidas como linfócitos – um tipo de glóbulo branco – para primeiro encontrar agentes patogênicos, comunicar uns com os outros e desencadear uma resposta específica a esses antígenos.

Os linfócitos ativados então são traficados mais adiante no sistema linfático para que eles possam alcançar a corrente sangüínea, equipados para disseminar a resposta imune ao redor do corpo através da circulação sanguínea.

O sistema linfático e a ação dos linfócitos, dos quais o corpo tem trilhões, fazem parte do que os imunologistas chamam de “resposta imune adaptativa” – respostas altamente específicas e duradouras a patógenos particulares.

A imunidade adaptativa é muito mais sofisticada do que a “resposta imune inata” que também empregamos e que os animais invertebrados dependem sozinhos para montar uma resposta não específica aos patógenos – nossa imunidade inata inclui “células fagocíticas”, que ingerem e destroem micróbios.

 

Doenças do sistema linfático

O sistema linfático pode tornar-se disfuncional se os nódulos, dutos, vasos ou tecidos linfáticos se tornem bloqueados, infectados, inflamados ou cancerosos. Isso pode levar a uma combinação de duas ou três das seguintes características gerais dos distúrbios linfáticos: 1

  • Quando um distúrbio linfático envolve obstrução, o líquido linfático acumula-se nos tecidos, uma condição conhecida como linfedema (também linfedema espelido )
  • A infecção pode levar ao alargamento dos gânglios linfáticos (ver abaixo)
  • Câncer – a doença linfática menos comum mas mais grave, o linfoma geralmente é secundário e surge quando o câncer se espalha de um tumor primário (como no peito) para linfonodos próximos ou regionais. É raro que um câncer comece no próprio sistema linfático (um câncer primário).

 

Quais são os linfonodos inchados?

Glândulas inchadas – por exemplo, no pescoço durante uma infecção na garganta – são gânglios linfáticos alargados. Os linfonodos podem inchar por dois motivos comuns:

  • Reação a uma infecção (linfadenopatia reativa) – quando os gânglios linfáticos reagem ao material estranho apresentado às células imunes através da drenagem linfa de tecido infectado
  • Infecção direta dos próprios gânglios linfáticos que levam à sua inflamação(linfadenite) – geralmente associada a certas infecções que precisam de tratamento antibiótico imediato .

Como um guia geral, geralmente não há necessidade de pessoas que de outra forma sejam saudáveis ​​para ir ao médico se problemas comuns e auto-limitantes, como um resfriado ou a gripe, podem explicar as glândulas inchadas que se estabelecem .

No entanto, é melhor procurar conselhos médicos em caso de dúvida ou se os gânglios linfáticos ficar inchados por mais de uma semana ou duas. O aconselhamento médico também deve ser procurado se um nódulo linfático inchado se sentir duro ou fixado no lugar, ou se o inchaço for acompanhado de febre, suores noturnos ou perda de peso inexplicada.

Os linfonodos inchados podem ser sintomáticos de numerosas condições possíveis. A febre glandular é uma causa do inchaço mais duradouro – esta infecção viral também é conhecida como mononucleose infecciosa, ou mono.

As crianças são mais propensas a linfonodos inchados porque seus sistemas imunológicos estão desenvolvendo respostas a micróbios infecciosos.

A amigdalite, por exemplo, é mais comum em crianças. Esta condição ocorre quando os nódulos linfáticos na parte de trás da boca estão lutando contra a infecção – geralmente viral, mas menos comumente uma infecção bacteriana. A faringite é um tipo de infecção bacteriana, vulgarmente denominada ” estreptocavaca “, causada pela bactéria estreptocócica do grupo A.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here