A vulvodinia (vulgarmente chamada de ia) é uma condição em que há dor, ardor e desconforto na vulva que não podem estar ligados a uma causa específica.

Essa dor pode ou não ser desencadeada pelo toque e pode ser sentida em uma área ou em toda a vulva. Mulheres com vulvodinia têm uma vulva normal.

É uma condição crônica que pode durar meses ou anos. Para algumas mulheres, pode ser tão desconfortável ficar sentado por longos períodos, usar tampões ou fazer sexo é difícil ou impossível.

A vulvodinia pode afetar mulheres em qualquer idade, mas é mais comum em mulheres jovens que sentem dor durante o sexo e geralmente não conseguem ter sexo com penetração (chamada vestibulodinia provocada).

 

O que causa vulvodinia?

Infelizmente ainda não sabemos.

Algumas pesquisas sugerem que mulheres com vulvodinia podem ter nascido com mais terminações nervosas na área ao redor e entre sua uretra e vagina (chamada de vestíbulo ), e se esses nervos forem danificados, a área torna-se hipersensível. Parece que esse dano pode ser desencadeado por aftas crônicas, trauma sexual (por exemplo, abuso sexual, sexo sem lubrificação suficiente) e parto.

Como a vulvodinia é diagnosticada?

Vulvodinia - Sinais, sintomas, causas e tratamentos

Não há teste especial para a vulvodinia – apenas testes para provar que a dor não é causada por outras condições. Seu médico normalmente fará um exame físico e poderá fazer e testar amostras de sua vagina e vulva para descartar outras irritações, como aftas ou eczema.

Infelizmente, nem todos os médicos estão familiarizados com a vulvodinia e, por vezes, concluem que a dor vulvar de uma mulher é causada por um problema psicológico. Se você não conseguir alívio da dor vulvar ou se quiser uma segunda opinião, pode ser útil consultar um especialista em saúde feminina (um ginecologista).

Como a vulvodinia é tratada?

 

Lubrificações e medicamentos aplicados na área afetada podem proporcionar algum alívio. A fisioterapia também pode ajudar a relaxar os músculos do assoalho pélvico. Se tudo isso falhar, seu médico pode recomendar uma cirurgia para remover a área sensível.

Coisas para lembrar

  • A vulvodinia é uma dor vulvar que não tem uma causa clara e onde não há sinais físicos de irritação.
  • Embora a vulvodinia possa durar anos, existem tratamentos para controlar seus sintomas.
  • A vulvodinia, muitas vezes, desaparece sozinha.

Visão geral

Vulvodinia é uma dor crônica ou desconforto em torno da abertura de sua vagina (vulva) para a qual não há uma causa identificável e que dure pelo menos três meses. A dor, a queimação ou a irritação associada à vulvodinia podem deixá-lo tão desconfortável que ficar sentado por longos períodos ou fazer sexo torna-se impensável. A condição pode durar meses a anos.

Se você tiver vulvodínia, não deixe que a ausência de sinais visíveis ou constrangimento sobre a discussão dos sintomas impeça você de procurar ajuda. Opções de tratamento estão disponíveis para diminuir seu desconforto. E seu médico pode ser capaz de determinar uma causa para sua dor vulvar, por isso é importante fazer um exame.

Sintomas

O principal sintoma da vulvodínia é a dor em sua área genital, que pode ser caracterizada como:

  • Queimação
  • Dor
  • Ardor
  • Relação dolorosa (dispareunia)
  • Latejante
  • Comichão

Sua dor pode ser constante ou ocasional. Pode ocorrer apenas quando a área sensível é tocada (provocada). Você pode sentir a dor em toda a sua área vulvar (generalizada) ou a dor pode estar localizada em uma determinada área, como a abertura da sua vagina (vestíbulo).

O tecido vulvar pode parecer levemente inflamado ou inchado. Mais frequentemente, sua vulva parece normal.

Uma condição semelhante, vestibulodinia, causa dor apenas quando a pressão é aplicada na área ao redor da entrada da vagina.

Quando ver um médico

Embora muitas vezes as mulheres não mencionem a vulvodinia para seus médicos, a condição é bastante comum.

Se você tem dor na área genital, converse com seu médico ou peça encaminhamento a um ginecologista. É importante que seu médico descarte causas mais facilmente tratáveis ​​da dor vulvar – por exemplo, infecções por leveduras ou bactérias, herpes, condições de pele pré-cancerosas, síndrome geniturinária da menopausa e problemas médicos, como diabetes.

Também é importante não usar repetidamente tratamentos sem receita para infecções fúngicas sem consultar o seu médico. Uma vez que seu médico tenha avaliado seus sintomas, ele pode recomendar tratamentos ou maneiras de ajudá-lo a controlar sua dor.

Causas

Os médicos não sabem o que causa vulvodinia, mas os possíveis fatores contribuintes incluem:

  • Lesão ou irritação dos nervos ao redor da região vulvar
  • Infecções vaginais passadas
  • Alergias ou pele sensível
  • Alterações hormonais
  • Espasmo muscular ou fraqueza no assoalho pélvico, que suporta o útero, bexiga e intestino

Complicações

Vulvodinia - Sinais, sintomas, causas e tratamentos

Porque pode ser doloroso e frustrante e pode impedi-lo de querer sexo, a vulvodinia pode causar problemas emocionais. Por exemplo, o medo de fazer sexo pode causar espasmos nos músculos ao redor da vagina (vaginismo). Outras complicações podem incluir:

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Distúrbios do sono
  • Disfunção sexual
  • Imagem corporal alterada
  • Problemas de relacionamento
  • Diminuição da qualidade de vida

Diagnóstico

Antes de diagnosticar a vulvodinia, o seu médico irá fazer-lhe perguntas sobre a sua história médica, sexual e cirúrgica e para compreender a localização, natureza e extensão dos seus sintomas.

Seu médico também pode executar um:

  • Exame pélvico. Seu médico examina visualmente seus órgãos genitais e vagina em busca de sinais de infecção ou outras causas de seus sintomas. Mesmo que não haja evidência visual de infecção, seu médico pode retirar uma amostra de células de sua vagina para testar uma infecção, como uma infecção por fungos ou uma vaginose bacteriana.
  • Teste de cotonete. O seu médico usa um cotonete umedecido para verificar com cuidado as áreas localizadas e específicas de dor em sua região vulvar.

Tratamento

Os tratamentos de vulvodinia concentram-se no alívio dos sintomas. Nenhum tratamento funciona para todas as mulheres. Para muitos, uma combinação de tratamentos funciona melhor. Pode levar algum tempo para encontrar os tratamentos certos, e pode levar algum tempo após o início do tratamento antes de você perceber um alívio.

Opções de tratamento incluem:

  • Medicamentos Esteróides, antidepressivos tricíclicos ou anticonvulsivantes podem ajudar a diminuir a dor crônica. Anti-histamínicos podem reduzir a coceira.
  • Terapia de biofeedback. Esta terapia pode ajudar a reduzir a dor, ensinando-lhe como relaxar seus músculos pélvicos e controlar como seu corpo responde aos sintomas.
  • Anestésicos locais. Medicamentos, como pomada de lidocaína, podem fornecer alívio temporário dos sintomas. Seu médico pode recomendar a aplicação de lidocaína 30 minutos antes da relação sexual para reduzir o desconforto. O uso de pomada de lidocaína pode fazer com que seu parceiro tenha uma dormência temporária após o contato sexual.
  • Blocos nervosos. As mulheres que apresentam dor prolongada e que não respondem a outros tratamentos podem se beneficiar das injeções locais de bloqueio de nervo.
  • Terapia do assoalho pélvico. Muitas mulheres com vulvodinia têm tensão nos músculos do assoalho pélvico, que suporta o útero, a bexiga e o intestino. Exercícios para relaxar esses músculos podem ajudar a aliviar a dor da vulvodinia.
  • Cirurgia. Em casos de vulvodinia localizada ou vestibulodinia, a cirurgia para remover a pele e o tecido afetados (vestibulectomia) alivia a dor em algumas mulheres.

Estilo de vida e remédios caseiros

As dicas a seguir podem ajudá-lo a controlar os sintomas da vulvodinia:

  • Experimente compressas frias ou pacotes de gel. Coloque-os diretamente em sua área genital externa para aliviar a dor e a coceira.
  • Mergulhe em um banho. Duas a três vezes por dia, sente-se em água morna, confortável (não quente) ou fria com sais de Epsom ou aveia coloidal por cinco a 10 minutos.
  • Evite a meia-calça justa e a roupa de baixo de nylon. Roupas apertadas restringem o fluxo de ar à sua área genital, geralmente levando a um aumento da temperatura e da umidade que podem causar irritação. Use roupas íntimas brancas de algodão para aumentar a ventilação e o ressecamento. Tente dormir sem calcinha à noite.
  • Evite banheiras de hidromassagem e imersão em banhos quentes. Passar tempo em água quente pode causar desconforto e coceira.
  • Não use tampões ou absorventes desodorantes. O desodorante pode ser irritante. Se as almofadas estiverem irritantes, mude para 100% de algodão.
  • Evite atividades que exerçam pressão sobre sua vulva, como andar de bicicleta ou a cavalo.
  • Lave suavemente. Esfregar a área afetada asperamente ou lavar com muita frequência pode aumentar a irritação. Em vez disso, use água pura para limpar suavemente sua vulva com a mão e esfregue a área. Após o banho, aplique um emoliente sem conservantes, como vaselina, para criar uma barreira protetora.
  • Use lubrificantes. Se você é sexualmente ativo, aplique um lubrificante antes de fazer sexo. Não use produtos que contenham álcool, sabor ou agentes de aquecimento ou resfriamento.

Medicina alternativa

O estresse tende a piorar a vulvodinia e ter vulvodinia aumenta o estresse. Embora haja pouca evidência de que técnicas alternativas funcionem, algumas mulheres obtêm algum alívio com ioga, meditação, massagem e outros redutores de estresse.

Ajuda e suporte

Você pode achar que conversar com outras mulheres que têm vulvodínia é útil porque pode fornecer informações e fazer com que você se sinta menos sozinho. Se você não quiser participar de um grupo de apoio, seu médico poderá recomendar um conselheiro em sua área que tenha experiência em ajudar mulheres a lidar com a vulvodinia.

Terapia sexual ou terapia de casais pode ajudar você e seu parceiro a lidar com o efeito da vulvodínia em seu relacionamento.

Preparando-se para sua consulta

É provável que você comece vendo seu provedor de cuidados primários. Em alguns casos, você será encaminhado a um médico especializado em condições do aparelho reprodutor feminino (ginecologista).

O que você pode fazer

Faça uma lista de:

  • Seus sintomas, incluindo qualquer um que possa parecer não relacionado ao motivo pelo qual você agendou o compromisso, e quando eles começaram
  • Seu histórico médico, incluindo outras condições para as quais você está sendo tratado
  • Todos os medicamentos, vitaminas ou outros suplementos que você ingere,incluindo doses

Para vulvodinia, perguntas para perguntar ao seu médico incluem:

  • O que poderia estar causando meus sintomas?
  • Quais testes você recomenda?
  • Quais os tratamentos com maior probabilidade de melhorar meus sintomas?
  • Esta condição é permanente ou temporária?
  • Quando posso esperar obter alívio do meu desconforto?
  • Eu tenho outras condições médicas. Como posso gerenciá-los juntos?
  • Você tem folhetos ou outro material impresso que eu possa ter? Quais sites você recomendaria?

Não hesite em fazer outras perguntas.

O que esperar do seu médico

Seu médico provavelmente fará perguntas, como:

  • Quão severa é a sua dor e quanto tempo dura?
  • Como você descreveria sua dor – aguda ou incômoda, contínua ou intermitente?
  • Sua dor geralmente é desencadeada por um evento específico, como relação sexual ou exercício?
  • Você sente dor durante a micção ou um movimento intestinal?
  • Seu ciclo menstrual afeta sua dor?
  • Alguma coisa melhora ou piora sua dor?
  • Você já fez cirurgia pélvica?
  • Você já esteve grávida ou pode estar grávida agora?
  • Você já foi tratado de infecções do trato urinário ou vaginais?

Vulvodinia: o que você precisa saber

Vulvodinia e vestibulodinia referem-se a um desconforto crônico da vulva, a parte do corpo de uma mulher que protege os genitais.

Inclui a genitália feminina externa, incluindo o mons pubis, os grandes e pequenos lábios, o clitóris e o períneo.

A dor vulvar pode acontecer por várias razões, mas a vulvodinia e a vestibulodinia estão especificamente ligadas a uma hipersensibilidade das terminações nervosas da pele.

Estima-se que cerca de 16% das mulheres tenham experimentado dor ou ardor na área da vulva em algum momento da vida.

Tratamento

O tratamento visa aliviar os sintomas. Como a causa é desconhecida, encontrar uma solução que funcione pode levar a algumas tentativas e erros.

Medicamentos para bloquear a dor podem incluir antidepressivos , anticonvulsivantes ou inibidores da recaptação de serotonina-noradrenalina (ISRNs).

Outras soluções incluem cremes, loções e gel anestésico para aplicação na área da vulva.

Exemplos incluem cremes hormonais tópicos contendo estrogênio e testosterona , anestésicos tópicos, como a lidocaína, e produtos que contêm um ingrediente antidepressivo ou anticonvulsivo. Estes podem ser aplicados 15 a 20 minutos antes da atividade sexual, ou quando necessário.

Um bloqueio do nervo é uma droga anestésica que é injetada nos nervos que transmitem sinais de dor, neste caso, da vulva para a coluna. Interromper os sinais de dor dessa maneira pode fornecer alívio a curto prazo.

A dor vulvar persistente pode levar a problemas de relacionamento.

Se nenhum outro método for eficaz, a cirurgia para remover o tecido doloroso pode ser apropriada.

Duas técnicas que estão sendo investigadas atualmente são a neuroestimulação e a bomba de infusão espinhal.

A neuroestimulação envolve a entrega de estimulação elétrica de baixa voltagem para um nervo específico. Isso pode substituir a dor com uma sensação de formigamento.

Uma bomba de infusão espinhal é um dispositivo implantado que pode fornecer medicação de baixa dose para a medula espinhal e raízes nervosas. Isso pode levar a eliminação da dor.

No entanto, há evidências limitadas sobre o uso dessas medidas para a vulvodinia.

Vulvodinia - Sinais, sintomas, causas e tratamentos

Alguns pesquisadores descobriram que a terapia física e psicossexual pode ajudar a melhorar o funcionamento sexual, por exemplo, ajudando a reverter o medo do toque.

Sintomas

A vulvodinia pode ser dolorosa, mas a causa exata permanece desconhecida.

A vulvodinia apresenta uma sensação de queimação, ardência, coceira, irritação ou uma sensação crua no tecido vulvar, que pode ou não parecer inflamada. Os pacientes podem descrever uma sensação de palpitação, coceira, dor, dor e inchaço.

A dor pode afetar um determinado ponto, ou pode ser sentida em uma área mais ampla, incluindo o clitóris, o períneo, o púbis e a parte interna das coxas. Também pode afetar a área ao redor da uretra e a parte superior das pernas e parte interna das coxas.

A dor envolvida na vulvodinia é neuropática, o que significa que ela provém de sinais anormais das fibras nervosas na área vulvar. As terminações nervosas são hipersensíveis.

Ele pode ser constante ou intermitente. Uma dor constante que acontece quando não há toque ou pressão é conhecida como vulvodinia não provocada.

A vestibulodinia, anteriormente conhecida como vestibulite, envolve uma dor que é desencadeada pelo toque leve ou dor provocada.

Os sintomas podem piorar durante ou após a relação sexual, andar, sentar ou fazer exercícios. Pode acontecer quando se insere um tampão, ou quando é aplicada pressão prolongada, por exemplo, durante a equitação.

A vulvodinia é geralmente definida como duradoura por pelo menos 3 meses. Muitas vezes começa de repente, e pode durar meses ou anos. Não é uma ameaça à vida, mas a dor pode impedir o indivíduo de realizar algumas atividades normais. Isso também pode levar a transtornos ou depressão .

Complicações

Problemas de relacionamento podem resultar, porque a relação sexual é dolorosa. Um estudo sugere que 60% das mulheres com vulvodinia são incapazes de praticar sexo.

Estudos sugerem que mulheres com vulvodinia podem ter uma gravidez normal e que, em alguns casos, os níveis de dor diminuem durante a gravidez. No entanto, as mulheres com a condição são mais propensas a ter uma cesariana.

Remédios caseiros

Vulvodinia - Sinais, sintomas, causas e tratamentos

Algumas medidas podem ser tomadas que não envolvem medicamentos.

Se ocorrer vulvodinia, o primeiro passo é parar de usar qualquer irritante, como sabonetes de perfume. Uma mudança nos produtos menstruais pode ajudar, por exemplo, a mudar de itens sintéticos para produtos à base de algodão.

Pacotes de gel fresco podem oferecer alívio imediato da dor a curto prazo.

Os exercícios do músculo do assoalho pélvico podem ajudar relaxando os tecidos no assoalho pélvico e liberando a tensão nos músculos e articulações.

Biofeedback usa tecnologia para aumentar a consciência de um indivíduo de como eles podem estar estressando seu corpo. Essas informações podem ajudar as pessoas a mudar hábitos que levam a danos ou desconforto. Para mulheres com vulvodinia, pode ajudar a fortalecer os músculos do assoalho pélvico e isso pode reduzir a dor.

Um ponto de gatilho é uma área específica de desconforto. A terapia de ponto-gatilho envolve massagear uma pequena área do músculo rigidamente contraído para liberar a tensão e aliviar a dor. Um medicamento anestésico aplicado diretamente, por exemplo, como um creme, também pode ser usado para aliviar a dor em um ponto-gatilho.

Como o estresse pode desempenhar um papel na vulvodinia, seja como um gatilho ou uma consequência, o controle do estresse pode ajudar a aliviar os sintomas.

Acupuntura e terapia cognitivo-comportamental são opções atualmente sendo exploradas.

Causas

A dor vulvar pode ser causada por infecções, problemas neurológicos, condições inflamatórias e neoplasias, como o carcinoma de células escamosas .

A vulvodinia não está relacionada a uma condição subjacente. A causa exata é desconhecida . Não é causada por uma infecção sexualmente transmitida ou outra infecção, doença de pele ou câncer , embora estes também podem causar dor.

Fatores que podem aumentar o risco de vulvodinia incluem :

  • Danos ou irritação dos nervos ao redor da vulva
  • Uma alta densidade de fibras nervosas sensíveis à dor na área vulvar
  • Altos níveis de substâncias inflamatórias na área vulvar, por exemplo, devido à inflamação
  • Suscetibilidade genética
  • Músculos do assoalho pélvico fracos ou instáveis
  • Reação incomum ou de longo prazo à infecção, trauma ou outro fator ambiental
  • Mudanças desencadeadas por hormônios

Atividades como o ciclismo podem desencadear dor.

Outros fatores que aumentam a suscetibilidade incluem:

  • infecções fúngicas frequentes
  • infecções sexualmente transmissíveis(DSTs)
  • irritação química dos genitais externos, causada por sabonetes, produtos de higiene feminina ou detergentes em roupas
  • erupções cutâneas na área genital
  • tratamentos a laser anteriores ou cirurgia nos genitais externos
  • irritação nervosa, lesão ou espasmos musculares na área pélvica
  • diabetes
  • condições pré-cancerosas ou cancerosas no colo do útero

Vestibulodinia Provocada pode resultar de:

  • relação sexual
  • um exame ginecológico
  • um treino na academia prolongado
  • vestindo roupas íntimas ou calças apertadas
  • atividades como andar de bicicleta ou a cavalo

A vulvodinia pode ser confundida com outros problemas vulvovaginais, como a tensão crônica ou espasmo dos músculos da área vulvar, denominada vaginismo .

Dieta

Uma mudança na dieta pode ajudar. Cortar um alimento de cada vez pode ajudar a identificar um gatilho.

Itens que geralmente desencadeiam uma reação incluem:

  • cafeína
  • alimentos com alto teor de açúcar
  • alimentos ácidos
  • alimentos processados

Prevenção

Medidas que podem reduzir o risco de desencadear dor incluem:

  • vestindo roupas íntimas de algodão e roupas folgadas ao redor da área genital
  • evitando papel higiênico perfumado e cremes e sabonetes perfumados
  • evitando atrito ou sentado por períodos prolongados
  • abstendo-se de lavagem genital excessiva
  • não passar muito creme ou usando toalhetes vaginais
  • usando lubrificantes solúveis em água durante a relação sexual
  • tapar a área seca após enxaguar ou urinar

Se houver suspeita de uma infecção vaginal, é importante diagnosticá-la e tratá-la imediatamente e discutir com um médico se algum tratamento parece piorar a condição.

Diagnóstico

O diagnóstico pode envolver um exame pélvico, para procurar alterações na pele e avaliar a dor.

Um teste de cotonete é usado para delinear as áreas de dor e categorizar sua gravidade. O médico pode pressionar com swab em diferentes áreas, enquanto pede ao paciente para avaliar o nível de dor.

O paciente deve estar pronto para descrever a dor, incluindo o tipo de dor e sua gravidade, por exemplo, quando começou, e se começou de forma gradual ou repentina, onde dói e com que frequência.

O médico pode usar uma lupa especial para realizar uma colposcopia.

Testes podem ser realizados para tentar encontrar a origem da dor e eliminar outras causas.

Esses incluem:

  • tomando uma cultura para bactérias e leveduras
  • exames de sangue para avaliar os níveis de estrogênio, progesterona e testosterona
  • uma biópsia

Em uma biópsia, o médico primeiro adormece a área genital com um analgésico e, em seguida, um pequeno pedaço de tecido é levado para exame ao microscópio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here